Como todo procedimento médico existem riscos até mesmo para procedimentos bem estabelecidos e estudados.

O preenchimento de rugas é geralmente feito com materiais que são colocados em uma ou varias camadas da pele para retificar as áreas deprimida que forma a ruga.

Ha cerca de 10-15 anos atrás começou a se fazer mais e mais preenchimentos. Porém, nesta época eram usadas substâncias que uma vez depositadas são seriam mais absorvida e eliminadas. Devido o grande risco de complicações hoje em dia usa-se preenchedores absorvíveis que duram entre 6 a 24 meses dependendo do produto e sua densidade.

Os preenchimentos dérmicos cresceram em popularidade ainda mais nos ultimos anos. Em 2016, mais de 2,4 milhões de procedimentos de preenchimento foram feitos com apenas um tipo, o ácido hialurônico (Juvederm, Restylane), nos EUA. Isso representa um aumento de 56% na última década.

Um estudo acompanhou pacientes por 10 anos e listou as principais complicações dos preenchedores de forma geral:
👉🏾Formação de nódulos
👉🏾Infecções
👉🏾Inflamação
👉🏾Complicações alérgicas
👉🏾Complicações vasculares
A maioria destes problemas ocasionados por estes procedimentos são contornáveis quando manejados por medicos.

Os problemas mais sérios vistos no estudo incluíram 62 derrames ou eventos parecidos com um derrame e 47 casos de cegueira, atribuídos aos preenchimentos. Os derrames podem acontecer quando uma injeção atinge um vaso sanguíneo e o bloqueia. A cegueira pode ocorrer quando uma injeção perto do olho bloqueia um vaso sanguíneo. Alguns casos de cegueira ocorreram após tratamento das bochechas e na testa, e do dorso do nariz.

O risco destas complicações aumenta muito quando não é utilizado o material certo para aquele procedimento ou se a técnica usada não é correta. O barato pode sair muito caro. Quando a complicação temcaracter puramente estético (um lábio muito preenchido por exemplo) e o preenchedor é temporário tudo fica mais facil. Mas infelizmente estes não sao os unicos riscos.

O conselho é sempre procurar um profissional altamente capacitado membro da sociedade brasileira de dermatologia ou de cirurgia plástica, conhecedor de técnicas e da anatomia da sua face, e que possa lidar com qualquer eventualidade com segurança.

Referencias: The American Journal of Cosmetic Surgery, February 9, 2018. JAMA Facial Plastic Surgery, December 21, 2017.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Hsites, Especializados em Web para a área Médica

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?